Vídeo: conheça as pesquisas dos artistas em residência

Nesta série de 6 vídeos individuais, os artistas da 10ª Residência Artística formada por Cezar Sperinde, Ícaro Lira, Lot Amorós, Pedro Cappeletti, Sara Não tem Nome e Vanessa de Michelis apresentam seus trabalhos em processo.

_Cezar Sperinde

_Ícaro Lira

_Lot Amorós

_Pedro Cappeletti

_Sara Não Tem Nome

_Vanessa de Michelis

 

Conheça os novos artistas residentes

Nesta semana seis novos artistas ocuparam os ateliês do Red Bull Station e demos início a 10a edição do programa de Residência Artística, com curadoria de Fernando Velázquez.

Cezar Sperinde (RS), Ícaro Lira (CE), Lot Amorós (Barcelona/Espanha), Pedro Cappeletti (SP), Sara Não Tem Nome (MG) e Vanessa de Michelis (MG) foram selecionados por um júri formado pela curadora e artista Giselle Beiguelman, a arte educadora e artista, Sandra Cinto e o curador.

Conheça um pouco do trajeto e obra de cada futuro residente:

Cezar é de Porto Alegre, vive e trabalha entre o Rio de Janeiro, Tel Aviv e Londres. Talvez por causa de sua vida errante, o seu trabalho aponta para a busca das raízes que lhe permitam compreender seu passado e presente. A sua produção demonstra ironia, humor e absurdo, elementos que articula com precisão e dosagem na desconstrução dos estereótipos que cada cultura a que ele pertence, mesmo que transitoriamente, carrega.

O foco de pesquisa de Ícaro (foto) são os processos através dos quais eventos sociais contemporâneos ou históricos, tão diversos como a Guerra de Canudos ou a desocupação do Pinheirinho em São Paulo, atravessam as diferentes camadas do imaginário coletivo, gerando ou apagando registros na memória social e convocando-nos a nos pensarmos como indivíduos e como coletivo. Com uma metodologia de trabalho próxima da etnografia, da antropologia e da antropologia visual, dentre outras áreas das humanidades, seus trabalhos são principalmente instalações onde se apresenta em forma de arquivo o fruto das suas pesquisas e vivências.

Lot é o primeiro artista internacional que nos visita. É engenheiro da computação e artista multidisciplinar. O seu trabalho está diretamente relacionado com as novas tecnologias e em como estas podem se tornar ferramentas inovadoras na compreensão de conflitos sociais, como as guerras no Oriente médio e os fluxos migratórios, ou ainda de contextos críticos que envolvam comunidades excluídas. Em suas ações “artivistas” tem desenvolvido tecnologia em drones, como no projeto “Dronecoria”, no qual um deles dissemina sementes na floresta.

O corpo de trabalho de Pedro é formado por esculturas, desenhos, instalações e caminhadas. O seu trabalho é de alto rigor formal e às vezes parece estar resolvendo enigmas, equivalências, translações e traduções. Na sua obra o conceitual, o figurativo, o material e o invisível se retroalimentam de forma a trazer à tona o universo das estruturas que permeiam o cotidiano e seus fenômenos.

Sara Não Tem Nome olha o mundo com um filtro particular: parece navegar a realidade em busca daqueles intervalos de inconsistência lógica que nos passam desapercebidos no dia a dia – ou aos que deliberadamente damos credibilidade temporária, para lidar com o mundo de forma mais amena. Sara explora seus insightsconstruindo narrativas desde a fotografia, o vídeo, o livro de artista, a performance e a canção.

A obra de Vanessa de Michelis envolve performances sonoras e audiovisuais, instalações interativas e um conjunto de práticas híbridas e horizontais, onde a docência e a cultura DIY (Do it yourself, ou faça você mesmo) têm papel preponderante. Ela tem sido voz ativa no fomento e manutenção de espaços de convívio e intercâmbio de conhecimento (medialabs). Em muitas de suas obras acontece um fenômeno incomum, em que a audição vira a interface com o mundo, deixando a visão em segundo plano; e um sem-fim de texturas e nuances, até então pouco percebidas, passam ao primeiro plano.