Arte

Palestras, performances, filmes: veja como foi o Afrotranscendence 2016

03nov

por Red Bull Station

Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool
Atividade com os residentes do AfroT | Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool

Com a proposta de criar novos olhares a partir da união entre saberes tradicionais e contemporâneos das culturas negras pelo mundo, a segunda edição do festival e residência AfroTranscendence, produzido pela NoBrasil, reuniu na semana passada artistas e pesquisadores de diversas áreas envolvidos com a cultura afro-brasileira no Red Bull Station.

Foto: Larissa Pádua
Makota Valdina Pinto | Foto: Larissa Pádua

Foram palestras debatendo temas como descolonização do conhecimento, ancestralidade e estética negra, além de atividades para selecionados via convocatória aberta, exibição de filmes de realizadores africanos e performances distribuídas pelo prédio.

Na quinta-feira, falaram a especialista em cultura dos povos bantu Makota Valdina Pinto e o artista baiano Ayrson Heráclito. Na sexta, as palestras foram do artista Jaime Lauriano e da dramaturga e diretora Fernanda Júlia, além da artista e escritora de São Tomé e Príncipe Grada Kilomba, que participou por videoconferência.

Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool
Exibição de filmes de realizadores africanos | Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool

No sábado, a fala do autor quilombola Nego Bispo foi seguida de conversa entre Yasmin Thainá (diretora de KBELA e criadora do AfroFlix) com o diretor do Festival de Cinema Africano do Vale do Silício, o nigeriano Chike C. Nwoffiah.

Encerrando o evento, o músico Mahal Pita (BaianaSystem) fez uma releitura do álbum “Africadeus” (1973), de Naná Vasconcelos, lançado em vinil na ocasião (saiba mais sobre). Pelas redes do coletivo Afroguerrilha — que realizou debate paralelo ao evento sobre a importância da mídia independente para o povo negro — é possível assistir às palestras na íntegra. Abaixo, veja fotos do festival. Em breve teremos reportagem em vídeo sobre o evento.