Notícias
Cidade

Sincronicidade: veja como foi o bate-papo sobre cidades mais humanas

15dez

por Red Bull Station

No último dia 26 de novembro, uma palestra encerrou a semana do evento Sincronicidade, destinado ao debate sobre espaços públicos e cidades mais humanas.

Veja abaixo como foi a conversa, que contou com a participação de Dalva Santos, discutindo economia criativa; Márcio Black, debatendo eventos, apropriações e territórios de convivência; Pablo Paternostro, falando sobre equipamentos culturais; e Paulo Cesar Saraiva, discursando sobre agricultura urbana. O papo foi mediado por Rodrigo Castello, representando a plataforma Red Bull Amaphiko, que organizou o evento.

Saiba mais sobre o Sincronicidade aqui.

Cidade

9 lugares em SP onde o Carnaval não tem fim

11fev

por Red Bull Station

O espírito carnavalesco parece ter tomado conta de vez da cidade. Neste ano, mais de 400 blocos sairão nas ruas de São Paulo entre 29 de janeiro e 14 de fevereiro. Mas por trás de toda a folia que movimenta o carnaval, há uma mistura de ritmos, danças e tradições que acontecem não apenas em fevereiro – ou, dependendo do ano, março. Pensando nisso, selecionamos alguns projetos, festas e estabelecimentos em São Paulo que celebram a cultura brasileira o ano inteiro:

Ilú Obá de Min

Integrantes do Ilú Obá de Min (Foto: Felipe Gabriel)
Integrantes do Ilú Obá de Min (Foto: Felipe Gabriel)

Para quem não sabe, o Ilú Obá de Min não é apenas um bloco, trata-se de uma associação que fomenta e resgata as culturas afro-brasileira e africana e desenvolve atividades para o fortalecimento individual e coletivo da mulher. A instituição oferece em sua sede, no centro da cidade, oficinas de percussão , aulas de dança afro, danças brasileiras, dentre outras atividades.

Grupo Madeira de Lei (Samba do Bixiga)

Quem nunca viu o samba amanhecer vai no Bixiga pra ver. O tradicional e boêmio bairro do Bixiga, no coração de São Paulo, tem um lugar na história do samba. Além de ser o lar de uma das maiores escolas da capital – a Vai-Vai -, a região é reduto de sambistas toda sexta-feira a partir das 19h, quando o Grupo Madeira de Lei se encontra para tocar Rua Treze de Maio, em frente a Paróquia Nossa Senhora Achiropita.

Festa do Santo Forte

A Santo Forte foi idealizada em 2005 pelo DJ e pesquisador musical Tutu Moraes quando ele percebeu uma carência nas noites paulistanas de festas voltadas para a música popular brasileira. Hoje, a Santo Forte é consagrada como uma das melhores festas alternativas da cidade, reunindo milhares de fãs preparados para dançar noite adentro a mistura de ritmos brasileiros garimpados por Tutu.  

Samba da Vela

SV15
Samba da Vela (Foto: divulgação)

A Comunidade Samba da Vela é uma roda de samba em torno de uma vela – o show começa quando ela é acesa e termina quando ela se apaga. Fundada há 16 anos e com a cantora Beth Carvalho como madrinha, a roda é referência quando se trata de samba paulistano e responsável por revelar novos compositores do gênero. Os encontros acontecem toda segunda-feira, às 20h45, em Santo Amaro (Zona Sul), reunindo músicos e simpatizantes de todas as idades.

Grupo de Maracatu do Bloco de Pedra

O Bloco de Pedra é um grupo de Maracatu de Baque Virado composto pelos alunos do Projeto Calo na Mão. Seus músicos e dançarinos apresentam uma formação contemporânea desta manifestação cultural afro-brasileira que existe há mais de 200 anos. Os ensaios são abertos ao público e acontecem aos sábados, a partir das 15h, na Escola Estadual Profº António Alves Cruz, em Pinheiros (Zona Oeste).

Pilantragi

O DJ e promoter Rodrigo Bento, da Pilantragi
O DJ e promoter Rodrigo Bento, da Pilantragi

Sim, Pilantragi também não é apenas uma festa. Criado em 2012, o coletivo tem o objetivo de difundir a cultura brasileira por meio da música, arte e outras intervenções artísticas. Toda quinta-feira, no Mundo Pensante, o grupo promove uma festa voltada para os fãs da boa música brasileira, comandada pelo DJ Rodrigo Bento. Em 2013, a Pilantragi ganhou seu próprio bloco de carnaval, que desfila no bairro de Perdizes, na Zona Oeste.

Ó do Borogodó

O animado boteco da animada Vila Madalena (Zona Oeste) é parada obrigatória para quem gosta de samba – “e quem não gosta de samba, bom sujeito não é.” – O local abre todos os dias da semana e conta com uma programação de shows de MPB, rodas de samba e de choro.

Roda de Choro da Contemporânea

Na verdade, a Contemporânea é uma loja de instrumentos musicais localizada na Sta. Ifigênia, região central. Fundada em 1948, a loja é ponto de encontro de músicos e fãs de choro desde a década de 60. É lá onde acontece uma das principais rodas de choro da cidade, aos sábados, das 9h às 14h.

Vila Madalena

Mas se bater saudade daquela farra de carnaval, com gente nas ruas, muita brasilidade e um clima bem folião, há o célebre boêmio bairro da Vila Madalena. A maioria dos estabelecimentos abre de terça a domingo, mas é durante o final de semana que a área se torna uma verdadeira festa a céu aberto – é só dar uma volta e encontrar seu “bloco”.

Cidade

Música Imigrante

25jan

por Red Bull Station


De dentro do estúdio vem um burburinho. Na primeira vez você não consegue compreender qual língua aqueles seis homens, tão diferentes entre si, estão conversando. Entre batuques e gritos finalmente o português ressalta, com o sotaque especial de gringo que de longe reconhecemos. Mas esses caras não são gringos, certo? Esses caras tem um pouco de São Paulo dentro de si e são esses imigrantes que transformam São Paulo nessa coisa que acontece nos nossos corações.Aqui é o lugar certo para se estar, se não pode (ou nem quer!) ficar em casa. Não que ela se transforme em um lar, mas se adapta. Mas o que é a Sampa a cabeça de quem vem de fora? É isso que a série Música Imigrante vem mostrar.

São Paulo é movimento, sempre. Movimento e barulho. Nisso todos concordam. O bonito é ver como esses músicos compreendem os ruídos da cidade como música. Como reconhecem em cada bairro o som que vem de dentro e se encaixam ali. O uruguaio Jorge Peña se encontrou em Pinheiros e no silêncio que consegue encontrar nas praças e no verde. O americano Victor Rice e o português João Fonseca gostam mesmo é do centro, do caos, das feiras de rua e vida noturna, enquanto o cubano Pepe passeia apaixonado pela Rua Teodoro Sampaio e todos os sons que saem das lojas de música.

São seres muito musicais, então, o assunto não poderia variar. Quando perguntamos que som vem de dentro de São Paulo, o samba é a estrela. “Não posso ficar nem mais um minuto com você”, cantarola Pitschú, o angolano-alegria enquanto conta que essa música sempre vem à cabeça. “Tem de todos os ritmos, mas, no fundo, o samba ecoa forte. Queria aprender a tocar pandero, mas é fato que nenhum cubano consegue”, Pepe lamenta. O Victor não tem dúvidas de que só aprendeu a ser preciso quando tocou pagode.

Mas tudo muda quando se chega na cidade e os sons de todos os imigrantes se misturam. Quando os ritmos de outros lugares se encontram e a magia acontece. Um pouco dessa magia foi feita no Red Bull Studios, em São Paulo. Esses novos paulistanos juntaram as frequências diferentes para criar uma jam cheia de suíngue que representa a cidade na cabeça deles. Conheça um pouco mais sobre esses músicos e a faixa que eles criaram juntos, no improviso. A homenagem é para São Paulo, ou Gotham Citycomo João gosta de chamar – mas quem ganha o presente somos nós.

Ouça a jam produzida pelos músicos imigrantes no Red Bull Studios!

Cidade

Arte | Território: artistas ocupam o centro de SP

21jan

por Red Bull Station

O centro de São Paulo não carrega apenas parte importante da história e memória da cidade, ele é (e sempre foi) berço de diversas expressões criativas. Em outubro de 2013, a antiga subestação de energia Riachuelo, localizada entre as avenidas 9 de Julho e 23 de Maio e vizinha ao Terminal Bandeira, reabriu as portas com um novo propósito. Nascia o Red Bull Station, um espaço dedicado à criatividade.

Mas não estamos sozinhos e o número de vizinhos vem crescendo. Nos últimos anos, o centro tem sido cada vez mais ocupado por artistas, galerias, espaços de arte e centros culturais, tornando-se um terreno fértil para troca, criação e novidades.

Em homenagem aos 462, lançamos o documentário ARTE | TERRITÓRIO que retrata os desafios e inspirações da cena artística na região central. “Os projetos que existem no centro hoje são experimentais e estão de fato descobrindo o local. Não há exploração comercial. Esses espaços no centro querem explorar, experimentar, provocar”, explica Fernando Velázquez, curador do Red Bull Station.

phosphorus
Phosphorus

Com doze minutos de duração, o curta inclui ainda relatos dos artistas Felipe Morozini, Luciano CortaRuas, as galeristas Maria Monteiro, Fernanda Brenner, o arquiteto e crítico de arte Guilherme Wisnik e a arquiteta e urbanista Paula Santoro.

Confira o guia sobre as galerias, espaços e artistas que permeiam o centro da capital.

Estúdio Lâmina
O Estúdio Lâmina é um espaço cultural que é de tudo um pouco: galeria, estúdio e casa. Lá eles acolhem diversas residencias artisticas que vão desde música, fotografia e cinema até dança, moda e circo.
Av. São João, 108, Centro

Felipe Morozini
Além de artista, Morozini é ainda diretor da Associação Parque do Minhocão, organização social que defende que o Elevado Presidente Costa e Silva se transforme numa área de lazer para a população da cidade. Morozini mora no Minhocão e seu trabalho tem forte relação com o centro paulistano. Entre seus trabalhos mais conhecidos está a performance “Jardim Suspenso da Babilônia”, na qual, junto de 21 amigos, ele pintou flores de cal em toda a extensão do Elevado Costa e Silva em 2009.

Pivô © Salvador Cordaro
Pivô © Salvador Cordaro

Pivô
O Pivô, localizado no Edifício Copan, no centro de São Paulo, foi fundado em 2012 e desde então recebe diversas exposições, worshops, palestras e experimentações artísticas sobre arte, arquitetura, urbanismo e muito mais. Vale a visita!
Av. Ipiranga, 200, bloco A, Loja 54, República

Tag Gallery
Curte arte urbana? Então você não pode deixar de visitar a Tag Gallery. O espaço, localizado em um prédio antigo no centro de São Paulo, é dedicado ao desenvolvimento da street art em São Paulo e sua conexão com artistas do mundo inteiro.
R. Líbero Badaró, 336, 3º andar, Centro

Phosphorus
O Phosphorus, idealizado por Maria Monteiro, é um espaço independente de arte experimental, com foco em residência artística e crítica dos processos. Ele fica em nada menos que na primeira rua de São Paulo, ao lado do Pateo do Colégio, o Marco Zero da cidade.
R. Roberto Simonsen, 108, Sé

Confira o nosso especial São Paulo 462 Anos

Cidade

Red Bull Station e mais de 80 imóveis participam da 1ª Jornada do Patrimônio

11dez

por Red Bull Station

Neste final de semana (12 e 13 de dezembro) acontece a primeira edição da Jornada do Patrimônio, organizada pela Secretaria Municipal de Cultura e pelo Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo.

Mais de 80 imóveis públicos e privados abrirão as portas para as pessoas conhecerem melhor pontos que são importantes para a história e memória da cidade. A iniciativa é inspirada em uma tradição que já existe em cidades como Nova Iorque (EUA), Paris (França) e Lisboa (Portugal), que anualmente convidam o público a visitar suas construções e edifícios históricos.

Além da visitação gratuita, alguns locais promovem oficinas, palestras, roteiros, peças de teatro, entre outros, para informar e aproximar a população dos nossos bens culturais.

edificio_martinelli-910x607
Edifício Martinelli (Foto: Divulgação)

Com relevância arquitetônica e histórica, o Red Bull Station é um dos participantes da Jornada do Patrimônio paulistano. Construído em 1926 para abrigar a antiga subestação de energia Riachuelo, da empresa Light, o edifício foi tombado como patrimônio histórico pelo Conpresp em 2002. Após uma longa reforma e requalificação, a estação reabriu as portas em 2013 como Red Bull Station, um espaço com acesso gratuito e que integra diferentes expressões criativas.

Diversos estabelecimentos da região central que fazem parte da tradição cultural da cidade também participam da Jornada, como a Vila Itororó, o Teatro Oficina e o Edifício Martinelli, além de casarões antigos e locais pouco visitados pelo público. Para conferir a lista completa de locais e atividades acesse o site da Jornada do Patrimônio.

vila_itororo
Vila Itororó (Foto: Divulgação)

Funcionamos de terça a sexta, das 11h às 20h e aos sábados das 11h às 19h. A entrada é gratuita.

Cidade

Como podemos melhorar o dia a dia da nossa cidade?

01dez

por Red Bull Station

Todos os dias nos deparamos com problemas das grandes metrópoles: trânsito, alagamentos, poluição, falta de água, mobilidade.

Como podemos melhorar o dia a dia da nossa cidade? Essa foi a pergunta feita para a turma da residência hacker do Red Bull Basement 2015, que chega ao fim de sua primeira edição com cinco iniciativas que repensam soluções para viver diariamente em São Paulo.

Confira acima o curta que ilustra o tema desta primeira edição. Se quiser conferir o resultado da residência de perto, apareça no dia 10 de dezembro no Red Bull Station para a apresentação final dos projetos que prometem melhorar o centro da nossa cidade.

Essa ficção foi inspirada em histórias reais. Confira abaixo os projetos que ajudaram a criar o nosso hacker.

A Batata Precisa de Você

A Batata Precisa de Você promove a ocupação regular do Largo da Batata, em Pinheiros, São Paulo. Seus objetivos são fortalecer a relação afetiva da população local com o Largo da Batata e evidenciar o potencial de um espaço.

Bueiros Conectados

Bueiros Conectados é um projeto de serviço, produto e aplicativo digital que conecta os bueiros da cidade aos cidadãos, criando um ambiente de mobilização e tomada de atitudes preventivas e corretivas para o bem estar público e cidadania.

Cidade Azul

Dizem por aí que São Paulo é uma cidade cinza, você vai descobrir que ela é azul. O Cidade Azul convida as pessoas a conhecer rios enterrados pela cidade.

Mananciais

A Rede de Olho nos Mananciais é um canal aberto para informar,
debater, acompanhar e propor ações para proteger as fontes de água que abastecem as grandes cidades, começando por São Paulo.

Parque Minhocão

A Associação Amigos do Parque Minhocão é uma associação sem fins lucrativos e apartidária que tem como objetivo implantar um parque municipal linear, para pedestres e ciclistas, no Elevado Costa e Silva.

Cidade

Paulo Saldiva contra as doenças urbanas

13nov

por Red Bull Station

Médico patologista, professor titular da Faculdade de Medicina da USP e pesquisador, Paulo Saldiva é um dos maiores especialistas em poluição atmosférica e seus efeitos na saúde da população. Além de ser uma figura brilhante, que consegue encarar com otimismo e bom humor os graves problemas que a capital paulista enfrenta, mas sem abandonar uma posição crítica diante desses.  (mais…)

Cidade

Conheça o arRUAça, projeto que realiza workshop em parceria com o Red Bull Basement

23out

por Red Bull Station

Nesta quarta-feira (21), um workshop fechado que integra a programação paralela do programa Red Bull Basement convida os inscritos a parar durante uma tarde para olhar para a cidade, ouvir quem faz parte dela e pensar mudanças que melhorem o espaço urbano.

Trata-se de um experimento do arRUAça, metodologia criada pelo pessoal d’oGangorra, empresa que busca referências que provoquem experiência urbanas e humanas, principalmente ligadas ao estímulo ao uso da bicicleta e a ocupação consciente da rua.

“O arRUAça convida a galera a observar o espaço onde está inserida e sugerir mudanças positivas — e tendo a bike como ferramenta para transformar essa história toda. Convida a galera a se sentir proprietária desse espaço público”, explica Brunno Carvalho, um dos integrantes d’oGangorra.

10157119_703788479738914_7760653042840086659_n
Prática do arRUAça em Campo Limpo no primeiro semestre de 2015 / Crédito: facebook.com/oGangorra

A metodologia começou a ser pensada no ano passado, e no primeiro semestre de 2015 foi aplicada em um projeto no bairro paulistano de Campo Limpo, zona sul da cidade. Em parceria com iniciativas de educação e juventude, ela tem a proposta de fazer da rua e de espaços públicos de São Paulo — especialmente na periferia — uma plataforma aberta de convivência, cidadania ao ar livre, experimentação divertida e aprendizado.

O arRUAça foi apresentado em junho na Velo-city, na França, a maior conferência de mobilidade por bicicleta do mundo.

O workshop que será dado no Red Bull Station é uma espécie de versão reduzida do projeto aplicado em Campo Limpo. Contará com exibição de filme e bate-papo, caminhadas observatórias, entrevistas, mapeamento de problemas e desafios em um itinerário pelo centro de São Paulo.

Cidade

Pedal Fotográfico quer estimular olhar São Paulo de outra forma

13out

por Red Bull Station

Há 32 anos, o fotógrafo e ciclista Ivson Miranda passou um período de 14 meses fotografando São Paulo para um projeto de um banco de imagens e um livro. Nesta publicação, que acabou não saindo, havia um capítulo chamado “Autofagia”, no qual era abordada a característica de São Paulo de estar sempre em transformação — para o bem ou para o mal.

Essa ideia das modificações urbanas se conecta com o evento que ele organiza no próximo dia 17, sábado, saindo do Memorial da América Latina com direção ao Red Bull Station, parando em diversos pontos para registros, o Pedal Fotográfico.

“Esse pedal tem muito a ver com o Red Bull Station — o local estava praticamente abandonado e foi recuperado [saiba mais sobre a história do prédio aqui]. As paradas que estou programando têm a ver com isso”, conta Ivson, explicando que o itinerário deve passar por locais que ele fotografou décadas atrás, destacando as mudanças pelas quais passaram.

11225431_10206772885353672_8702351705085494597_n

Memorial da América Latina em épocas distintas fotografado por Ivson Miranda
Memorial da América Latina em épocas distintas fotografado por Ivson Miranda

“É meio pra incutir na cabeça das pessoas olhar a cidade com outro olhar, porque com a bicicleta você tem outro tempo. Esse pedal é pra mostrar: você não precisa destruir para construir”, diz Ivson.

O fotógrafo vê também a cidade em um bom momento para esse tipo de evento, no qual o uso do espaço público é estimulado.

E, dentro da proposta de ampliar a visão, a tecnologia entra como um apoio. “Eu vou dar algumas dicas de fotografia para desafiar as pessoas a terem esse olhar. Estou incentivando as pessoas a fotografarem com o celular”, conta ele. Durante o trajeto, os participantes serão convidados a postar as fotos nas redes sociais com a hashtag #pedalRBStation.

O Pedal ocorre neste próximo sábado (17), com saída do Memorial da América Latina às 12h — a concentração será na escultura “Mão” às 11h30 — e chegada ao Red Bull Station às 14h. No local, estará ocorrendo uma feirinha de comida vegana, que vai até às 18h.