Notícias
Arte

Exposições “Aceita?” e “Construção de Valores” são prorrogadas até 25/3

24fev

por Red Bull Station

As mostras “Construção de Valores”, de André Komatsu, e “Aceita?”, de Moisés Patrício, foram prorrogadas até 25 de março.

A instalação de Komatsu ocupa a Galeria Principal do prédio. Nela, o artista apresenta um conjunto de mais de 700 mil cópias, entre imagens e verbetes de dicionário, empilhadas em 62 torres rigorosamente organizadas no espaço. As imagens foram extraídas de meios de comunicação, e dentre os verbetes se encontram palavras como ordem, poder, estrutura, sistema, território e estado. Ventiladores ligados no entorno dessas “edificações” desestabilizam as pilhas, rearticulando imagens e verbetes em novos conjuntos, nos convocando a refletir sobre as estruturas que moldam a sociedade. Leia aqui entrevista com o artista.

"Construção de Valores", de André Komatsu
“Construção de Valores”, de André Komatsu

“Aceita?” fica na Galeria Transitória e é uma série que Moisés Patrício vem desenvolvendo desde 2013 para as redes sociais. Artista negro, morador da periferia de São Paulo e praticante do candomblé, Patrício produz religiosamente uma imagem por dia como forma de documentar o seu cotidiano e refletir sobre a sua condição na cidade. As imagens são meticulosamente projetadas e têm a mão aberta do artista como oferenda principal, sempre relacionada a frases que escuta ou a objetos que Patrício encontra em seu trajeto pela cidade. No vídeo abaixo, o artista fala sobre o trabalho.

Arte

Chamado aberto para a mostra “Aproximadamente 800 cm3 de PLA”

24fev

por Red Bull Station

APROXIMADAMENTE 800 cm3 DE PLA é uma exposição que busca mostrar o rico estado da arte digital em 3D, materializando-o em um espaço físico. Modelos virtuais são impressos em plástico e apresentados em um gabinete de curiosidades feitas por computador. Em abril, o projeto chega à Galeria Transitória do Red Bull Station.

A participação é aberta a qualquer pessoa interessada em contribuir. Vale qualquer tipo de modelo: esculturas generativas, personagens animados, props para filme e/ou videogame, projetos de engenharia, maquetes virtuais, tomografias computadorizadas.

800cm3

Para ter a sua obra incluída na mostra, basta enviar o modelo 3D até 31 de março, em formato OBJ ou STL, para o e-mail 800cm3@redbull.com.br.

Os modelos recebidos serão impressos em 3D e colocados à mostra na Galeria Transitória de 1 de abril a 13 de maio. As condições completas de participação podem ser lidas abaixo.

De onde vem esse nome?
APROXIMADAMENTE 800 cm3 DE PLA é o volume total de plástico contido num carretel para impressão 3D. O projeto foi iniciado em 2015 durante a bienal de artes digitais “The Wrong”. Na primeira edição foram fabricados 71 modelos variados, criados por participantes de todo o mundo. Essa coleção encontra-se preservada no acervo da Galeria de Arte da UFES e pode ser vista em 800cm3.tumblr.com. O projeto é coordenado por Gabriel Menotti.

aprox800_03

No Red Bull Station, a mostra fabricará os modelos recebidos por e-mail até a matéria-prima acabar. Para que seu projeto seja fabricado e apresentado na exposição, basta observar essas oito regras simples:

1. Qualquer um pode enviar qualquer tipo de modelo 3D virtual para ser impresso e mostrado em APROXIMADAMENTE 800cm3 DE PLA;

2. De modo a estimular diversidade, as propostas estão limitadas a um modelo por pessoa;

3. O modelo deve ser enviado por e-mail, em formato STL ou OBJ, para 800cm3@redbull.com.br. No corpo da mensagem, indique o nome do autor e seu site(s) pessoal(is). Vale perfil em rede social também;

4. Todos os modelos serão produzidos usando os mesmos parâmetros de impressão e uma mesma quantidade de plástico PLA vermelho. Mas não se preocupe com isso: nós cuidaremos de formatar os modelos apropriadamente;

5. Depois de impressos, os modelos serão expostos na Galeria Transitória do Red Bull Station. A documentação das peças pode ser publicada nas redes sociais;

6. Planejamos imprimir a maior quantidade de objetos possível dentro das nossas restrições materiais. No caso de ser preciso fazer alguma triagem, nos basearemos em critérios bastante subjetivos de originalidade e diversidade;

7. Ao fim do processo, os modelos produzidos serão doados e uma coleção com os arquivos originais será publicada on-line. Caso você não queira que seu arquivo seja publicado, nos informe no email de submissão;

8. Ao submeter um modelo 3D para o projeto APROXIMADAMENTE 800cm³ DE PLA, você assume total responsabilidade sobre os direitos autorais da peça, e autoriza o seu uso e reprodução na exposição de acordo com as regras aqui delineadas.

Arte

Giuliano Obici, da 12ª Residência Artística, apresenta performance no centro alemão ZKM

15fev

por Red Bull Station

O artista Giuliano Obici, que participou da 12º Residência Artística do Red Bull Station, apresentou no fim de 2016 o trabalho “Simulacrum Piano” no ZKM (Center for Art and Media de Karlsruhe, Alemanha), um dos centros mais importantes de arte e tecnologia do mundo, junto a Heloísa Amaral (piano) e Anton Kossjanenko (Jan Zorin, no áudio e mix). Assista abaixo.

 

AQUI, relembre como foi a nossa mais recente residência e o trabalho apresentado por Giuliano.

Giuliano Obici e sua instalação de monitores que causam uma 'enchente audiovisual' | Foto: Lost Art / Red Bull Content Pool
Giuliano Obici e sua instalação de monitores que causam uma ‘enchente audiovisual’ | Foto: Lost Art / Red Bull Content Pool

 

Arte

Veja como foi a abertura de “Construção de Valores” e “Aceita?”

06fev

por Red Bull Station

Inaugurando nossa programação de 2017, no último sábado (4) ocorreu a abertura das exposições “Construção de Valores”, de André Komatsu, e “Aceita?”, de Moisés Patrício, com apresentação do bloco afro feminino Ilú Obá de Min.

19_MG_7689

A instalação de Komatsu ocupa a Galeria Principal do prédio. Nela, o artista apresenta um conjunto de mais de 700 mil cópias, entre imagens e verbetes de dicionário, empilhadas em 62 torres rigorosamente organizadas no espaço. As imagens foram extraídas de meios de comunicação, e dentre os verbetes se encontram palavras como ordem, poder, estrutura, sistema, território e estado. Ventiladores ligados no entorno dessas “edificações” desestabilizam as pilhas, rearticulando imagens e verbetes em novos conjuntos, nos convocando a refletir sobre as estruturas que moldam a sociedade. Leia aqui entrevista com o artista.

_MG_7483

“Aceita?” fica na Galeria Transitória e é uma série que Moisés Patrício vem desenvolvendo desde 2013 para as redes sociais. Artista negro, morador da periferia de São Paulo e praticante do candomblé, Patrício produz religiosamente uma imagem por dia como forma de documentar o seu cotidiano e refletir sobre a sua condição na cidade. As imagens são meticulosamente projetadas e têm a mão aberta do artista como oferenda principal, sempre relacionada a frases que escuta ou a objetos que Patrício encontra em seu trajeto pela cidade. No vídeo abaixo, o artista fala sobre o trabalho.

Veja na galeria a seguir fotos da abertura, que encerrou com uma apresentação do Ilú Obá de Min. As mostras ficam até 4 de março em cartaz por aqui e, assim como toda a programação do espaço, têm entrada gratuita.

Fotos: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool

Arte

André Komatsu fala sobre a instalação “Construção de Valores”

03fev

por Red Bull Station

Com abertura neste sábado (4/fev), a instalação “Construção de Valores”, do artista paulistano André Komatsu, ocupa a Galeria Principal do Red Bull Station até março. O trabalho, que já foi exibido na Ucrânia, em Veneza (em uma colateral da Bienal), Portugal e na Eslovênia (30ª Bienal de Artes Gráficas da Ljubljana), será apresentado pela primeira vez no Brasil.

“Quando fui convidado para esse projeto, eu fiquei pensando muito nesse trabalho. Primeiro porque eu nunca tinha apresentado ele aqui no Brasil. E, segundo, porque fui pensando em toda a confusão política que a gente anda vivendo e achei que seria um trabalho bem pertinente para essa situação”, diz o artista.

komatsu_1

“Construção de Valores” apresenta um conjunto de mais de 700 mil cópias, entre imagens e verbetes de dicionário, empilhadas em 62 torres rigorosamente organizadas no espaço. As imagens foram extraídas de meios de comunicação, e dentre os verbetes se encontram palavras como ordem, poder, estrutura, sistema, território e estado. Na instalação, ventiladores industriais posicionados em volta dessas torres as desestabilizam, rearticulando imagens e verbetes em novos conjuntos, nos convocando a refletir sobre as estruturas que moldam a sociedade e a intensidade das dinâmicas que operam no intervalo entre projeto e realidade.

André conta que passou dois anos coletando na internet as imagens — fotos “de distúrbios, desordens políticias, econômicas, naturais e sociais”, explica. “A princípio eu não sabia o que fazer com elas, aí veio essa oportunidade de fazer [a instalação] na Ucrânia a primeira vez. Essas imagens estão relacionadas com outras palavras que coletei no dicionário, palavras-conceito, vários tópicos que podem definir a ideia de um sistema de uma maneira geral”.

construcao2

“A partir disso, eu formulei o trabalho configurando-o em uma espécie de edificação para cada bloco de informação, tanto imagem quanto palavras, e essas informações são colocadas de maneira hierárquica, vertical, sendo que cada pilha tem uma altura diferente, e elas ficam concentradas em um centro, configurando quase uma cidadela. Daí o trabalho meio que se enuncia e se auto-sabota quando são posicionados ventiladores no entorno, criando uma desordem natural, silenciosa, desconstruindo um pouco essa hierarquia, bagunçando esses papéis. Criando dentro de uma sala completamente dura, verticalizada, um segundo momento que é essa horizontalização da informação e dos dados”, explica ele.

“É um trabalho que, na verdade, não tenta colocar nada de novo, não tenta fechar muito também, porque eu acredito que a gente viva numa sociedade que acaba ditando muito as certezas, esse tempo contemporâneo da certeza do mundo, da verdade. E o trabalho tenta mais criar uma dúvida, ou uma outra possibilidade, e entender o sistema que a gente vive”.

A instalação tem abertura neste sábado, das 11h às 19h, junto a exposição “Aceita?”, de Moisés Patrício. O evento contará ainda com apresentação do bloco afro Ilú Obá de Min às 17h30 no local. Os trabalhos podem ser visitados até 4 de março.

(Por Adriana Terra)

Arte

Vídeo: veja como foi a 2ª edição do festival e residência AfroTranscendence

22nov

por Red Bull Station

Conversa entre mentores e imersos na residência proposta pelo AfroT | Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool
Conversa entre mentores e imersos na residência proposta pelo AfroT | Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool

De 26 a 29 de outubro, o Red Bull Station sediou a residência e festival AfroTranscendence. Produzido pela NoBrasil, com apoio da Red Bull Amaphiko, o evento recebeu artistas e pesquisadores de diversas áreas envolvidos com a cultura afro-brasileira.

Foram palestras debatendo temas como descolonização do conhecimento, ancestralidade e estética negra, além de atividades para selecionados via convocatória aberta, exibição de filmes de realizadores africanos e performances distribuídas pelo prédio.

Confira o vídeo acima e, aqui, veja fotos e saiba mais sobre o AfroT.

Vídeo: Fernanda Ligabue (captação e edição), Analí Dupré (captação), Adriana Terra (entrevistas).

Arte

Veja a lista de artistas selecionados para o Lambes na Laje #6

22nov

por Red Bull Station

A sexta edição da feira de lambe-lambes Lambes na Laje acontece no próximo dia 3 de dezembro, um sábado, em todo o prédio reunindo cerca de 70 participantes. Veja abaixo a lista de artistas selecionados via convocatória aberta:

André Luiz Massayuki Ota
Antonio da Silva Carvalho – Xoxu | cargocollective.com/xoxu
Átila Fragozo (Paulestinos)
Beatriz Fernanda Neves
Bianca Moschetti Rivolta Cidro
Bruno Lopes de Lorenzi (Banglassi)
Bruno Ponceano (ponceanico)
Bruno Trochmann
Bruno Vasconcelos (Nobru)
Cacau Junior (Francisco Cacau)
Caio Vinicius Orio de Souza | escapezines.tumblr.com
Carmem Cartañon
Carolina Madeira da Veiga
Cleiri Adriana Cardoso | cleiricardoso.wordpress.com
Coletivo Canibal
Daniel Bilac Pianchão do Carmo | flickr.com/photos/danielbilac
Daniel Varella – Coletivo334
Daniela Avelar
Danielle Simões – Move Institute | moveinstitute.org
David Magila | davidmagila.com
Dayane Nascimento
Diego Max | diegomaxxx.wixsite.com/portifolio
Eduardo Nobrega
Elcio Miazaki (Urban Sensu)
Elias de Andrade (elais)
Fernanda Sanovicz | behance.net/fesanovicz
Flavia Aguilera
Francisco Coutinho Togni | chicotogni.com
Francy Costa
Gabriel Ribeiro (GBR)
Gabriela Barreira
Guilherme Luigi | behance.net/guilhermeluigi
Gustavo Jeronim
Heidi Marie Prufe Ximenes Diniz
Isabella da Silva Finholdt
Isadora Stevani
Juan Moreno Biachi
Julia da Luz Saldanha
Kadija Machado Neves de Paula
Kris – Lambe Buceta
Lais Rabello de Andrade
Laiza Ferreira | flickr.com/photos/la-ferreira
Lara Perl | laraperl.tumblr.com
Leticia Lopes da Rocha
Luisa Callegari | luisacallegari.com
Luiz Renato Montone Pera | renatopera.com
Manuel Cristian Hola | manuelscrofft.com
Marcello Vitorino
Marcelo Coelho
Marcelo Hora de Araújo Junior
Maria Bia Aguiar
Mariano Barone
Marlus Biceglia (windowzine)
Mauricio Zuffo Kuhlmann – MZK | mzk68.tumblr.com
Miguel Etges | migueletges.com.br
Milton Roberto Tortella
Nereu Jacob | behance.net/nereuj
Pedro Henrique Lemes da Silva (Casa 10/12)
Rafael Willians Litschauer
Raphaelle Faure Vincent | raphaelle-faurev.blogspot.com.br
Raquel de Brito Albuquerque
Renan Aguiar Costa Lima (Estúdio Tropical + Riso Tropical)
Revista Comando (Frederico) | comando14.com
Rodrigo Linhares
Rodrigo Motta
Rodrigo Santos da Cunha
Simon Fernandes | behance.net/simonfernandes
Sofia Daguano
Tainã Facundo
Thiago Savassi
Tiana de Almeida Chinelli | tianachinelli.com
Valquiria Rabelo | behance.net/valrabelo
Wilson Junior Francisco Borges
Ygor Marotta (Bons Pensamentos) | ygormarotta.com

Foto: Lucas Lima
Foto: Lucas Lima
Arte

Lambes na Laje #6 tem convocatória aberta até dia 15 de novembro

08nov

por Red Bull Station

Artistas, fotógrafos, tipógrafos, designers: estão abertas até 15 de novembro as inscrições para participar da 6ª edição do Lambes na Laje, feira que explora o formato de lambe-lambe, apresentando a cada edição trabalhos de até 60 artistas.

Foto: Lucas Lima
Foto: Lucas Lima

Os interessados em participar devem preencher esta ficha, disponível na página do evento, que tem realização da Mova Produtora, com curadoria de Nancy Betts e Paula Borghi.

O Lambes #6 ocorrerá no próximo dia 3 de dezembro, das 14h às 22h, com entrada gratuita.

Saiba mais aqui -> www.lambesnalaje.com

Veja como foi a última edição da feira.

Arte

Veja a programação completa da ocupação Foto_Invasão

08nov

por Red Bull Station

Foto: Marcelo Min, "Velho Chico"
Foto: Marcelo Min, “Velho Chico”

Começa nesta sexta-feira (11) às 20h a primeira edição da Foto_Invasão, ocupação que reunirá durante três dias instalações de oito coletivos fotográficos atuantes no cenário contemporâneo, palestra, projeções, uma exposição coletiva e venda de prints e outros objetivos relacionados à fotografia.

A curadoria é de Cris Veit, Fernando Velázquez (Red Bull Station), Ignacio Aronovich e Louise Chin (Lost Art) e Clelia Bailly.

Abaixo, veja a agenda completa do evento, que terá também programação gastronômica com hambúrguer e comida árabe durante o fim de semana. A entrada é gratuita.

SEXTA | 20h-22h
Bate-papo “Rumos da Fotografia coletiva e Independente”, com o fotógrafo João Castellano e coletivos C.H.O.C. Documental, Ligalight, Lost Art, Mamana, Remirar, Rolê, R.U.A.. Mediador: Marcos Alves (Presidente da ARFOC-SP).

Auditório. Público: até 100 pessoas; acesso por ordem de chegada (distribuição de senhas a partir das 19h).

SÁBADO E DOMINGO | 11h-20h
Instalações de oito coletivos: CHOC Documental, #Dysturb, Ligalight, Lost Art, Mamana, Remirar, Rolê e R.U.A.

Coletivo Ligalight | “Asfalto Selvagem” – Instalação multimídia que trata do universo da prostituição, da condição feminina e da busca por direitos humanos.

Coletivo LigaLight
Coletivo LigaLight

Coletivo Mamana | “Polarização” – Formado exclusivamente por mulheres, o Mamana Foto Coletivo apresenta uma instalação audiovisual que aborda a polarização política durante o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Coletivo R.U.A. | “Mariana” – O R.U.A. Foto Coletivo traz para a primeira edição do Foto_Invasão o maior crime ambiental da história do Brasil: Mariana.

Coletivo Lost Art | “Medo” – Para abordar um estado emocional que faz parte da vida de todos, voluntários e convidados despiram-se literal e figurativamente, sendo fotografados nus e falando sobre seus maiores medos.

Coletivo C.H.O.C. Documental | “Todos os Excessos Serão Apurados” – A instalação do coletivo convida os visitantes a refletirem sobre a atuação da polícia militar como força pública e seu impacto nas manifestações populares.

Remirar | “Irrecuperável Disponibilidade” – A proposta convida o visitante a refletir sobre a existência e vivência na metrópole usando elementos fotográficos e efêmeros que tentam materializar poeticamente aquilo que é moeda de troca tão preciosa na nossa vida: o tempo.

Foto: André Lucas / CHOQ Documental
Foto: André Lucas / C.H.O.C. Documental

Coletivo Rolê | “Cidade Minada” – O coletivo funde 20 olhares registrando a cidade em dípticos que levam a uma ressignificação das imagens para um contexto mais plural, alterando, no processo, o resultado final da experiência.

-> Local: ateliês e porão

Exposição coletiva “Primeiros Invasores”, com trabalhos de Ariana Miliorini (instantâneos de frequentadores de festas independentes); Benoît Fournier (retrato de moradora do Morro da Providência, RJ, impresso através de processos artesanais sobre folha encontrada na comunidade); Benjamin Girette (registra a variedade de expressões de políticos em aparições na TV com aplicativos de celular); Claire Delfino (série sobre a representação da feminilidade em crianças e adolescentes), João Castellano (ensaio com moradores de rua de São Paulo apresentando seu RG); Danilo Arenas Ireijo (retrato de Maxe Dawa e Bainawa Inu Bake Shaneibu na cachoeira da Fumaça, em Paranapiacaba, SP); Bianca Turner (obra multimídia que trata da memória como um lampejo para o reconhecimento do agora); e #Dysturb (lambe da rede mundial de fotojornalistas).

Foto: João Castellano
Foto: João Castellano

-> Local: Galeria Transitória

Venda de fotos e objetos fotográficos
Lost Art | Rolê | Remirar | Mamana | C.H.O.C. | R.U.A. | Luciana Benatti / Acervo Marcelo Min | Victor Dragonetti | João Machado | Corre Coletivo | Cassio Cricor | Mundano Coletivo | Anderson Barbosa | Simon Plestenak | Martim Passos | Paula Marina | Julieta Benoit | Guilherme Zauith | Marcelllo Vitorino | Jônia Guimarães | Rogerio Assis | Danilo Arenas | Marcelo Parmeggiani | Pio Figueiroa | PHD Taina Barrionuevo | Alirio de Castro | Ismael dos Anjos | Mauricio Simonetti | FIlipe dos Santos Barrocas | Moises Patricio | Bia Ataidio | Flávio Freire | Taba Benedicto | Tarek Mahammed | Paulo Ermantino | Pedro Veneroso.

-> Local: Galeria Principal

Foto: Paula Marina
Foto: Paula Marina

“Rastreando”, obra multimídia (20 min; 2016) de Bianca Turner que trata da memória como um lampejo para o reconhecimento do agora. Imagens do passado do Brasil, em forma de manchetes e capas de jornais e revistas publicadas entre 1964 e 1992, são projetadas em uma lousa preta, e a artista risca com giz os rastros que muitas vezes são esquecidos, criando uma imagem efêmera de sua interpretação do passado no presente.

-> Local: Auditório. Sábado e Domingo às 17h.

Projeções de fotos e ensaios de 65 selecionados via convocatória aberta
Participam cerca de 60 nomes escolhidos via chamado aberto, que mostrarão fotos ou ensaios durante sábado e domingo: Ale Ruaro | Alexandre Silberman | Alexandre Santos | Alexandre Suplicy | Alexandre Urch | Alice Gouveia | Alline Nakamura | Alirio de Castro | Amanda Perobelli | Ana Carolina Fernandes | Ana Caroline de Lima | Anderson dos Santos | André Cast | Andre Yamamoto | Angelo Dimitre | Beatriz Varella | Bia Ferrer | Bruno Mancinelle | Cadu Lemos | Caio Cestari | Caroline Moraes | Claudia Martini | Coletivo Cidades Analógicas | Cristian Domingues | Dan Immel | Daniel Ducci | Daniel Marenco | Fabio Teixeira | Fabio Vieira | Guilherme Bergamini | Guilherme Santana | Helia Scheppa | Heloisa Medeiros | Henrique Manreza | Hugo Chinaglia | Jair Bortoleto | Larissa Vescovi | Lucas Hiral | Luludi Melo | Marcel Fernandes | Coletivo Flanares | Marcelo dos Santos | Marcelo Min | Maristela Colucci | Mauricio Simonetti | Max Perdigão | Melissa Lee Warwick | Paula Marina | Paula Pedrosa | Paulo Iannone | Pedro Antonio Heinrich | Rafael Roncato | Randolpho Lamounier | Rodrigo Lopes Bessa | Rogerio Assis | Rose Steinmetz | Simon Plestenjak | Stefan Schmeling | Sueliton Lima | Thiago Bernardes | Ulysses de Castro | Victor Dragonetti | Victor Galvão | Warley Desali | Zé Barreta.

-> Local: Auditório

Arte

Os Brasis em São Paulo realiza mostra e intervenções urbanas em novembro

07nov

por Red Bull Station

Foto: Os Brasis em SP
Nega Duda | Foto: Os Brasis em SP

Realizado como um festival, em junho passado, e como uma residência artística que ocorreu ao longo dos últimos cinco meses, Os Brasis em São Paulo — projeto que busca revelar as histórias de mestres de cultura que vivem na capital paulista — resulta em uma exposição que ocorre de 22 a 30 de novembro no Red Bull Station.

Mestre ou Mestra de cultura brasileira é um termo usado para os chamados patrimônios vivos de cultura — termo do IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. São bordadeiras, cozinheiras, rendeiras, construtores de instrumentos, músicos de folguedos (maracatu, samba de roda).

Foto: Os Brasis em SP
Carlão do Peruche | Foto: Os Brasis em SP

Os Brasis em São Paulo propôs dar visibilidade a essa sabedoria por meio de um processo de oficinas de arte, narrativa e pesquisa que aconteceu de junho a outubro deste ano, buscando contar as histórias de Carlão do Peruche (mestre de jongo e da velha guarda do samba paulistano), Graça Reis (referência de cultura maranhense no Morro do Querosene), Nega Duda (referência do samba de roda do Recôncavo Baiano) e o educador cultural e espiritual índigena Pedro Macena.

O trabalho teve participação de cerca de 25 pessoas, oito delas escolhidas via chamado aberto, orientadas por facilitadores da rede Brasis durante o projeto.

O educador indígena Guarany Pedro Macena | Foto: Os Brasis em SP
O educador indígena Guarany Pedro Macena | Foto: Os Brasis em SP

“O principal objetivo do projeto artístico é revelar a história de mestras e mestres que moram em São Paulo e transitam pela cidade de forma invisível, sem que a sua contribuição para a cultura seja conhecida”, conta a pesquisadora Mayra Fonseca, que idealizou o festival. “A intenção é celebrar essas pessoas como importantes agentes de cultura brasileira e aproximar espaços da cidade que pouco os conhecem”.

Além da exposição, o projeto realiza intervenções urbanas a partir do dia 16 deste mês, distribuindo pela cidade de São Paulo lambe-lambes formando grandes instalações, cada uma delas ligada ao site do projeto, onde serão publicadas as histórias desses personagens.

Foto: Os Brasis em SP
Graça Reis | Foto: Os Brasis em SP

Os Brasis em São Paulo é iniciativa da rede de conteúdo Brasis (www.brasis.vc), com apoio da plataforma Red Bull Amaphiko.

Exposição “Sobre-Com-Viver”
De 22 a 30/nov em todo o prédio
*22 de novembro às 20h – Abertura da exposição e roda de conversa