Notícias
Arte

Exposições “Aceita?” e “Construção de Valores” são prorrogadas até 25/3

24fev

por Red Bull Station

As mostras “Construção de Valores”, de André Komatsu, e “Aceita?”, de Moisés Patrício, foram prorrogadas até 25 de março.

A instalação de Komatsu ocupa a Galeria Principal do prédio. Nela, o artista apresenta um conjunto de mais de 700 mil cópias, entre imagens e verbetes de dicionário, empilhadas em 62 torres rigorosamente organizadas no espaço. As imagens foram extraídas de meios de comunicação, e dentre os verbetes se encontram palavras como ordem, poder, estrutura, sistema, território e estado. Ventiladores ligados no entorno dessas “edificações” desestabilizam as pilhas, rearticulando imagens e verbetes em novos conjuntos, nos convocando a refletir sobre as estruturas que moldam a sociedade. Leia aqui entrevista com o artista.

"Construção de Valores", de André Komatsu
“Construção de Valores”, de André Komatsu

“Aceita?” fica na Galeria Transitória e é uma série que Moisés Patrício vem desenvolvendo desde 2013 para as redes sociais. Artista negro, morador da periferia de São Paulo e praticante do candomblé, Patrício produz religiosamente uma imagem por dia como forma de documentar o seu cotidiano e refletir sobre a sua condição na cidade. As imagens são meticulosamente projetadas e têm a mão aberta do artista como oferenda principal, sempre relacionada a frases que escuta ou a objetos que Patrício encontra em seu trajeto pela cidade. No vídeo abaixo, o artista fala sobre o trabalho.

Arte

Chamado aberto para a mostra “Aproximadamente 800 cm3 de PLA”

24fev

por Red Bull Station

APROXIMADAMENTE 800 cm3 DE PLA é uma exposição que busca mostrar o rico estado da arte digital em 3D, materializando-o em um espaço físico. Modelos virtuais são impressos em plástico e apresentados em um gabinete de curiosidades feitas por computador. Em abril, o projeto chega à Galeria Transitória do Red Bull Station.

A participação é aberta a qualquer pessoa interessada em contribuir. Vale qualquer tipo de modelo: esculturas generativas, personagens animados, props para filme e/ou videogame, projetos de engenharia, maquetes virtuais, tomografias computadorizadas.

800cm3

Para ter a sua obra incluída na mostra, basta enviar o modelo 3D até 31 de março, em formato OBJ ou STL, para o e-mail 800cm3@redbull.com.br.

Os modelos recebidos serão impressos em 3D e colocados à mostra na Galeria Transitória de 1 de abril a 13 de maio. As condições completas de participação podem ser lidas abaixo.

De onde vem esse nome?
APROXIMADAMENTE 800 cm3 DE PLA é o volume total de plástico contido num carretel para impressão 3D. O projeto foi iniciado em 2015 durante a bienal de artes digitais “The Wrong”. Na primeira edição foram fabricados 71 modelos variados, criados por participantes de todo o mundo. Essa coleção encontra-se preservada no acervo da Galeria de Arte da UFES e pode ser vista em 800cm3.tumblr.com. O projeto é coordenado por Gabriel Menotti.

aprox800_03

No Red Bull Station, a mostra fabricará os modelos recebidos por e-mail até a matéria-prima acabar. Para que seu projeto seja fabricado e apresentado na exposição, basta observar essas oito regras simples:

1. Qualquer um pode enviar qualquer tipo de modelo 3D virtual para ser impresso e mostrado em APROXIMADAMENTE 800cm3 DE PLA;

2. De modo a estimular diversidade, as propostas estão limitadas a um modelo por pessoa;

3. O modelo deve ser enviado por e-mail, em formato STL ou OBJ, para 800cm3@redbull.com.br. No corpo da mensagem, indique o nome do autor e seu site(s) pessoal(is). Vale perfil em rede social também;

4. Todos os modelos serão produzidos usando os mesmos parâmetros de impressão e uma mesma quantidade de plástico PLA vermelho. Mas não se preocupe com isso: nós cuidaremos de formatar os modelos apropriadamente;

5. Depois de impressos, os modelos serão expostos na Galeria Transitória do Red Bull Station. A documentação das peças pode ser publicada nas redes sociais;

6. Planejamos imprimir a maior quantidade de objetos possível dentro das nossas restrições materiais. No caso de ser preciso fazer alguma triagem, nos basearemos em critérios bastante subjetivos de originalidade e diversidade;

7. Ao fim do processo, os modelos produzidos serão doados e uma coleção com os arquivos originais será publicada on-line. Caso você não queira que seu arquivo seja publicado, nos informe no email de submissão;

8. Ao submeter um modelo 3D para o projeto APROXIMADAMENTE 800cm³ DE PLA, você assume total responsabilidade sobre os direitos autorais da peça, e autoriza o seu uso e reprodução na exposição de acordo com as regras aqui delineadas.

Arte

Giuliano Obici, da 12ª Residência Artística, apresenta performance no centro alemão ZKM

15fev

por Red Bull Station

O artista Giuliano Obici, que participou da 12º Residência Artística do Red Bull Station, apresentou no fim de 2016 o trabalho “Simulacrum Piano” no ZKM (Center for Art and Media de Karlsruhe, Alemanha), um dos centros mais importantes de arte e tecnologia do mundo, junto a Heloísa Amaral (piano) e Anton Kossjanenko (Jan Zorin, no áudio e mix). Assista abaixo.

 

AQUI, relembre como foi a nossa mais recente residência e o trabalho apresentado por Giuliano.

Giuliano Obici e sua instalação de monitores que causam uma 'enchente audiovisual' | Foto: Lost Art / Red Bull Content Pool
Giuliano Obici e sua instalação de monitores que causam uma ‘enchente audiovisual’ | Foto: Lost Art / Red Bull Content Pool

 

Arte

Veja como foi a abertura de “Construção de Valores” e “Aceita?”

06fev

por Red Bull Station

Inaugurando nossa programação de 2017, no último sábado (4) ocorreu a abertura das exposições “Construção de Valores”, de André Komatsu, e “Aceita?”, de Moisés Patrício, com apresentação do bloco afro feminino Ilú Obá de Min.

19_MG_7689

A instalação de Komatsu ocupa a Galeria Principal do prédio. Nela, o artista apresenta um conjunto de mais de 700 mil cópias, entre imagens e verbetes de dicionário, empilhadas em 62 torres rigorosamente organizadas no espaço. As imagens foram extraídas de meios de comunicação, e dentre os verbetes se encontram palavras como ordem, poder, estrutura, sistema, território e estado. Ventiladores ligados no entorno dessas “edificações” desestabilizam as pilhas, rearticulando imagens e verbetes em novos conjuntos, nos convocando a refletir sobre as estruturas que moldam a sociedade. Leia aqui entrevista com o artista.

_MG_7483

“Aceita?” fica na Galeria Transitória e é uma série que Moisés Patrício vem desenvolvendo desde 2013 para as redes sociais. Artista negro, morador da periferia de São Paulo e praticante do candomblé, Patrício produz religiosamente uma imagem por dia como forma de documentar o seu cotidiano e refletir sobre a sua condição na cidade. As imagens são meticulosamente projetadas e têm a mão aberta do artista como oferenda principal, sempre relacionada a frases que escuta ou a objetos que Patrício encontra em seu trajeto pela cidade. No vídeo abaixo, o artista fala sobre o trabalho.

Veja na galeria a seguir fotos da abertura, que encerrou com uma apresentação do Ilú Obá de Min. As mostras ficam até 4 de março em cartaz por aqui e, assim como toda a programação do espaço, têm entrada gratuita.

Fotos: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool

Arte

André Komatsu fala sobre a instalação “Construção de Valores”

03fev

por Red Bull Station

Com abertura neste sábado (4/fev), a instalação “Construção de Valores”, do artista paulistano André Komatsu, ocupa a Galeria Principal do Red Bull Station até março. O trabalho, que já foi exibido na Ucrânia, em Veneza (em uma colateral da Bienal), Portugal e na Eslovênia (30ª Bienal de Artes Gráficas da Ljubljana), será apresentado pela primeira vez no Brasil.

“Quando fui convidado para esse projeto, eu fiquei pensando muito nesse trabalho. Primeiro porque eu nunca tinha apresentado ele aqui no Brasil. E, segundo, porque fui pensando em toda a confusão política que a gente anda vivendo e achei que seria um trabalho bem pertinente para essa situação”, diz o artista.

komatsu_1

“Construção de Valores” apresenta um conjunto de mais de 700 mil cópias, entre imagens e verbetes de dicionário, empilhadas em 62 torres rigorosamente organizadas no espaço. As imagens foram extraídas de meios de comunicação, e dentre os verbetes se encontram palavras como ordem, poder, estrutura, sistema, território e estado. Na instalação, ventiladores industriais posicionados em volta dessas torres as desestabilizam, rearticulando imagens e verbetes em novos conjuntos, nos convocando a refletir sobre as estruturas que moldam a sociedade e a intensidade das dinâmicas que operam no intervalo entre projeto e realidade.

André conta que passou dois anos coletando na internet as imagens — fotos “de distúrbios, desordens políticias, econômicas, naturais e sociais”, explica. “A princípio eu não sabia o que fazer com elas, aí veio essa oportunidade de fazer [a instalação] na Ucrânia a primeira vez. Essas imagens estão relacionadas com outras palavras que coletei no dicionário, palavras-conceito, vários tópicos que podem definir a ideia de um sistema de uma maneira geral”.

construcao2

“A partir disso, eu formulei o trabalho configurando-o em uma espécie de edificação para cada bloco de informação, tanto imagem quanto palavras, e essas informações são colocadas de maneira hierárquica, vertical, sendo que cada pilha tem uma altura diferente, e elas ficam concentradas em um centro, configurando quase uma cidadela. Daí o trabalho meio que se enuncia e se auto-sabota quando são posicionados ventiladores no entorno, criando uma desordem natural, silenciosa, desconstruindo um pouco essa hierarquia, bagunçando esses papéis. Criando dentro de uma sala completamente dura, verticalizada, um segundo momento que é essa horizontalização da informação e dos dados”, explica ele.

“É um trabalho que, na verdade, não tenta colocar nada de novo, não tenta fechar muito também, porque eu acredito que a gente viva numa sociedade que acaba ditando muito as certezas, esse tempo contemporâneo da certeza do mundo, da verdade. E o trabalho tenta mais criar uma dúvida, ou uma outra possibilidade, e entender o sistema que a gente vive”.

A instalação tem abertura neste sábado, das 11h às 19h, junto a exposição “Aceita?”, de Moisés Patrício. O evento contará ainda com apresentação do bloco afro Ilú Obá de Min às 17h30 no local. Os trabalhos podem ser visitados até 4 de março.

(Por Adriana Terra)

Outros

Conheça a programação que abre 2017 no Red Bull Station

31jan

por Red Bull Station

Após um período de recesso, reabrimos nesta terça-feira (31) as portas, com duas exposições em cartaz (a abertura oficial delas é no sábado, dia 4), novo cardápio na Cafeteria, além de — como sempre — wi-fi e espaços de convívio e leitura pelo prédio, uma pequena biblioteca e a vista panorâmica da praça da Bandeira e do centro da cidade a partir da laje.

12370650_1057386880978596_7215496693861272799_o

Na Galeria Principal, a instalação “Construção de Valores”, de André Komatsu, apresenta um conjunto de mais de 700 mil cópias, entre imagens e verbetes de dicionário, empilhadas em 62 torres rigorosamente organizadas no espaço. As imagens foram extraídas de meios de comunicação, e dentre os verbetes se encontram palavras como ordem, poder, estrutura, sistema, território e estado. Ligados ao redor das pilhas, ventiladores desestabilizam as torres, rearticulando imagens e verbetes em novos conjuntos, nos convocando a refletir sobre as estruturas que moldam a sociedade e a intensidade das dinâmicas que operam no intervalo entre projeto e realidade.

“Aceita?”, exposição que ocupa a Galeria Transitória, no 2º andar do prédio, é uma série de fotos exibida na íntegra pela primeira vez, de autoria do paulistano Moisés Patrício. A ideia desta coleção, que teve início em 2013, é acompanhar e refletir sobre o trânsito social do artista, negro e morador da periferia, pela cidade de São Paulo. As imagens têm a mão aberta de Patrício — adepto do candomblé — como oferenda principal, sempre relacionada a frases que Patrício ouve ou a objetos que encontra em seu trajeto pela cidade.

aceita-site

Ambos os trabalhos já podem ser conferidos por aqui, mas a abertura oficial é no sábado, a partir das 14h, com performance de Patrício ao longo do dia e uma apresentação do bloco afro feminino Ilú Obá de Min às 17h30. Tudo, como sempre, gratuito.

Na próxima semana (7), o Auditório vai receber uma palestra sobre música nos tempos atuais com dois artistas prolíficos que vão repassar um pouco da sua trajetória por aqui: o pianista Benjamim Taubkin e o compositor Mauricio Pereira.

15591011_1354777477906200_3634997014717941914_o

Também na próxima semana, no sábado dia 11, a UP[W]IT (organização que estimula o protagonismo feminino na área de tecnologia) realiza por aqui um encontro para debater cidade e diversidade de gênero. O evento é fechado para inscritos, saiba mais.

Já no dia 18, o Sófálá retorna juntando, mais uma vez, batalha de MCs e slam de poesia. Além das disputas, vai rolar apresentação da dupla feminina As Lavadeiras, que mistura rap e cultura popular, DJ Gilmar (SNJ), além de lançamento de livros de poesia.

thenote-news

Encerrando o mês, o Cine Performa vai trazer quatro mini documentários sobre música, parte da série “The Note” (foto acima), parceria da Red Bull Music Academy com a Red Bull TV. Os filmes mostram momentos e personagens que mudaram a história da música: tem Eddie Palmieri com o álbum “Harlem River Drive”, tem filme sobre a colaboração entre engenheiros e artistas pelo E.A.T., entre outras coisas. A noite é encerrada com performance de Craca e Dani Nega, que mostram seu mais recente álbum, “Dispositivo Tralha”.

Funcionamos de terça a sexta, entre 11h e 20h, e aos sábados, das 11h às 19h. Nossa Cafeteria também traz um cardápio novo, com opções de almoço (já tem até receita online do risoto de parmesão com ragu de linguiça do menu) para diversos gostos, além de comidinhas para um lanche da tarde ou happy hour. Vem pro centro visitar a gente.

14107668_1245590528824896_3557824523860118825_o

Gastronomia

Aprenda a fazer risoto de parmesão com ragu de linguiça

30jan

por Tatiana Szeles

Receita de chef Tatiana Szeles, o risoto é parte do cardápio de fevereiro d’A Cafeteria.

risoto3

Risoto de parmesão com ragu de linguiça

::Ingredientes (para 4 porções)

Risoto
320g de arroz arbório
1 xícara (chá) de vinho branco seco
1 cebola branca picada
80g de parmesão ralado
1l de caldo de legumes
1 fio de azeite
150 ml de vinho branco seco
2 colheres de sopa de manteiga

Ragu
200g de linguiça calabresa moída
200g de linguiça toscana moída
80g de bacon picado
1 cebola branca picada
2 dentes de alho picado
500 ml de molho de tomate
1 colher de sopa de alecrim

::Modo de preparo

Risoto
Refogar a cebola com azeite.
Acrescentar o arroz arbório.
Refogar e somar o vinho branco sempre mexendo.
Quando o vinho evaporar, colocar o caldo aos poucos sempre mexendo até cozinhar o arroz.
Finalizar com o parmesão e a manteiga.

Ragu
Refogar a cebola e alho com azeite.
Acrescentar o bacon e a linguiça moída.
Refogar até ficar dourada.
Acrescentar o molho de tomate e o alecrim.
Cozinhar por 20 min em fogo baixo.

Servir o risoto em um prato fundo com o ragu de linguiça.

Gastronomia

Veja como preparar o refrescante Grape Bull

21dez

por Tatiana Szeles

grape bull

Grape Bull é uma das sugestões de coquetel sem álcool, ou Red Bull Twist, que damos regularmente por aqui.

Veja abaixo como preparar a bebida refrescante, perfeita pros dias quentes de janeiro.

Ingredientes:
12 uvas niágara
Suco de meio limão
6 folhas de manjericão
15 ml de simple syrup
Red Bull Red

Modo de preparo:
Em uma coqueteleira, macere a uva, o suco de limão, o simple syrup e o manjericão. Bata com gelo e sirva em um copo long drink cheio de gelo utilizando coagem dupla, decore com uma folha de manjericão. iria com a lata de Red Bull Red.

*Coquetel desenvolvido por All In Drink Experiences

Outros

Pulsø, FAZ, Foto_Invasão, AfroT: compilamos o que rolou em 2016 por aqui

21dez

por Red Bull Station

Foram diversas palestras, workshops, shows, exibições de filmes e residências, parte de uma programação que envolveu arte, tecnologia, música, cultura do fazer, história, urbanismo, fotografia, etnografia, mudanças de comportamento e de paradigmas.

>>Acesse também o especial do Red Bull Studios São Paulo 2016<<

Pra lembrar um pouco do que foi 2016 por aqui, reunimos abaixo dez momentos importantes do ano. Aproveite para rever — ou assistir pela primeira vez — aos registros desses encontros.

PULSØ

Foto: Felipe Gabriel

Uma residência de músicos que reuniu gente de diversos cantos do país experimentando sonoridades e parcerias: essa foi a proposta do Pulsø 2016.

O encontro de quase 30 músicos rendeu uma coletânea de 14 faixas bem diversa, que você pode ouvir abaixo.

12ª RESIDÊNCIA ARTÍSTICA

Instalação de Giuliano Obici | Foto: Lost Art / Red Bull Content Pool
Instalação de Giuliano Obici | Foto: Lost Art / Red Bull Content Pool

Em julho, a exposição da 12ª Residência Artística do Red Bull Station mostrou trabalhos de seis artistas que ocuparam os ateliês do prédio por cerca de um mês e meio. O curador Fernando Velázquez destacou a proposta de falar das artes visuais de forma ampla: “O encontro de artistas de diferentes trajetórias causa uma discussão interessante e levanta o debate sobre o que é arte”. Questionamentos políticos, debate sobre ocupação de espaços na cidade, vida urbana e processos de cura aparecem nas obras de Janaína Miranda, Raphael Escobar, Luca Forcucci, Carolina Cordeiro, Anton Steenbock e Giuliano Obici, que no vídeo abaixo comentam seus trabalhos. Leia mais sobre aqui.

FESTIVAL RED BULL BASEMENT
Com enfoque em cidades e tecnologia, o festival teve como destaque a palestra de abertura do evento com o holandês Frank Kresin, diretor do instituto Waag Society, que cravou: “Existem muitas falhas e problemas com essas cidades inteligentes como estão sendo propostas atualmente. Primeiramente, elas começam pela tecnologia e não pelos humanos e seus desafios. Não olham para o que os humanos querem ou precisam, e tentam apenas empurrar tecnologias caras para dentro das cidades, desumanizando-as em vez de humanizá-las“. Assista ao discurso inteiro abaixo.

RESIDÊNCIA HACKER

A residente Sara Lana e seu capacete com sensores | Foto: Felipe Gabriel
A residente Sara Lana e seu capacete com sensores | Foto: Felipe Gabriel

Discutindo questões urbanas como ocupação do espaço público, afeto, noções de segurança e prevenção de enchentes, os residentes do programa Red Bull Basement criaram quatro projetos bem diversos neste ano. Aqui é possível ler mais sobre cada um e, abaixo, conhecê-los por meio de vídeo que registra um pouco do processo.

FAZ
Em sua primeira edição, o Festival de Cultura Maker teve como objetivo difundir a ideia de que todos podem criar tudo (ou quase tudo) o que quiserem, com dezenas de workshops gratuitos que foram de jardinagem a impressão 3D, passando por palestra com Guto Lacaz, artista e inventor, show com o multiartista argentino Jorge Crowe e apresentações de projetos com pegada “faça você mesmo”.

AFROT
Em outubro, o Red Bull Station sediou pela segunda vez a residência e festival AfroTranscendence. Produzido pela NoBrasil, com apoio da Red Bull Amaphiko, o evento recebeu artistas e pesquisadores de diversas áreas envolvidos com a cultura afro-brasileira.

Nega Duda durante performance no AfroT 2016 | Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool
Nega Duda durante performance no AfroT 2016 | Foto: Felipe Gabriel / Red Bull Content Pool

A programação de quatro dias contou com palestras debatendo temas como descolonização do conhecimento, ancestralidade e estética negra, além de atividades para selecionados via convocatória aberta, exibição de filmes de realizadores africanos e performances.

FOTO_INVASÃO
Foram oito coletivos criando instalações especialmente para os ateliês e porão do prédio, cada um com uma proposta — lembrar o crime ambiental em Mariana (MG), como na imagem abaixo, pensar a efemeridade e o medo, falar sobre violência policial, prostituição e sobre a vida urbana. Além da exposição, performance, feira e palestra fizeram parte da programação intensa de três dias do Foto_Invasão, evento organizado pelo coletivo Lost Art junto a outros grupos que fazem parte do universo da fotografia contemporânea em São Paulo.

Instalação do R.U.A. Foto Coletivo | Foto: Lost Art
Instalação do R.U.A. Foto Coletivo | Foto: Lost Art

OS BRASIS EM SP
Realizado como um festival, em junho, e como uma residência artística que ocorreu ao longo do segundo semestre, Os Brasis em São Paulo buscou revelar as histórias de quatro mestres de cultura que vivem na capital paulista, resultando em uma exposição no nosso espaço e em intervenções urbanas que ocorreram na cidade celebrando a cantora Nega Duda, o sambista Carlão do Peruche, o educador indígena Pedro Macena e a festeira Graça Reis.

“A intenção é celebrar essas pessoas como importantes agentes de cultura brasileira e aproximar espaços da cidade que pouco as conhecem”, contou Mayra Fonseca, idealizadora do projeto. Conheça melhor esses nomes e saiba mais sobre a iniciativa aqui.

Lambe do projeto Os Brasis em São Paulo | Foto: Brasis
Mestre Carlão do Peruche em lambe do projeto Os Brasis em São Paulo | Foto: Brasis

LAMBES NA LAJE
Foram duas edições e mais de 100 artistas expondo e vendendo seus trabalhos em arte gráfica neste ano. No vídeo abaixo, um pouquinho da última edição da feira de lambe-lambes que existe desde 2012.

SÓFÁLÁ
Encerramos o ano com o Sófálá, projeto da casa, organizado por Emerson Alcade e Majda Asad, que reuniu em 2016 slammers e MCs em diversas batalhas. Ao fim, os vencedores de cada uma garantiram a participação numa coletânea em livro e musical que serão lançadas no começo de 2017.

_MG_0742

Veja também, em vídeo transmitido ao vivo, como foi a disputa final por aqui.

**

E 2016 teve ainda instalações como “Habitar” e a obra de Rodrigo Sassi, as exposições “Diários do Busão” e “Fronteiras”, muitas edições do Cine Performa, que mistura documentário e performance, palestra com Djamila Ribeiro (assista), debate sobre música e gênero, papo com KL Jay, além do evento Sincronicidade. Voltamos com mais em 2017, até já.

Cidade

Sincronicidade: veja como foi o bate-papo sobre cidades mais humanas

15dez

por Red Bull Station

No último dia 26 de novembro, uma palestra encerrou a semana do evento Sincronicidade, destinado ao debate sobre espaços públicos e cidades mais humanas.

Veja abaixo como foi a conversa, que contou com a participação de Dalva Santos, discutindo economia criativa; Márcio Black, debatendo eventos, apropriações e territórios de convivência; Pablo Paternostro, falando sobre equipamentos culturais; e Paulo Cesar Saraiva, discursando sobre agricultura urbana. O papo foi mediado por Rodrigo Castello, representando a plataforma Red Bull Amaphiko, que organizou o evento.

Saiba mais sobre o Sincronicidade aqui.